ELEIÇÕES E ESPERANÇAS: CICLO QUE SEMPRE SE RENOVA Por Aluízio da Silva

Cada ano que se inicia, como os que passaram, faz renascer a esperança na população, porém não podemos viver eternamente de sonhos. O transcorrer dos dias emerge a necessidade de encararmos a realidade a partir do momento em que os projetos e programas governamentais não passam de utopia, sobretudo para as pessoas excluídas. O Brasil precisa mudar sua performance econômica e social, e aí se inclui Guajará-Mirim, parte legítima e integrante do País.

A cada eleição, são alimentadas as esperanças do povo, sobretudo nos modelos de política, haja vista as eleições para presidente da República, governador do Estado, Congresso Nacional e Assembleia Legislativa.

Alguém precisa dizer aos políticos que, a partir de agora, precisam falar a verdade, pelo menos por algumas vezes, para confundir os políticos, os eleitores, caso queriam ter sucesso em suas manobras eleitorais.

O luxo é supérfluo, mas a honra, dignidade, caráter e personalidade devem ser um rótulo.

Nesse contexto, não é preciso ser nenhum expert em política para detectar que, em cada 10 pessoas com as quais se conversa, 8 dizem estar saturadas com nomes que parecem querer se eternizar na atividade política. E daísão unânimes em preferir “novos nomes”. Isso significa que os atuais detentores de mandatos eletivos, e também aqueles que já tiveram chance e pouco – ou nada – demonstraram em termos de trabalho, estão praticamente descartados.

O povo demonstra claramente aposta em novos nomes, pois perdeu a confiança nos políticos atuais. Ainda que a culpa não seja deles diretamente, mas foram eleitos para mudar a nossa história, a vida do povo, não lhe dando tudo de bom e necessário, mas o essencialpara a luta pela sobrevivência diária e a aquisição do pão para por à mesa da família.

Por um País melhor, o povo deve votar com consciência, após analisar a vida pregressa de cada um dos candidatos em todos os níveis. A história não perdoa erros nas escolhas. E as consequências são gravíssimas, como as que vivemos atualmente.

Administrador de Empresas, Jornalista e Radialista. Membro-fundador da Academia Guajaramirense de Letras (AGL).