AUDIÊNCIA PÚBLICA DISCUTE PCCS DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Proposta pelo presidente da Casa de Leis, advogado Sérgio Bouez (PSB), a Câmara de Guajará-Mirim realizou na manhã de terça-feira (30), uma Audiência Pública com os agentes da Educação municipal para discutir o Projeto de Cargos, Carreiras e Salários da categoria, prestes a entrar na ordem do dia no Plenário daquele parlamento.

Neste evento a composição da mesa foi composta, além do presidente da Casa, pelo vereador Augustinho Figueiredo (PDT), Arão Wao-Hara (PTB), Mário César (PMDB), Gilmar Oro Não (PMDB), a Secretária de Educação Municipal Teresa Crespo, a Secretária de Assuntos Jurídicos do Sintero, Judith dos Santos, das professoras ligadas à classe sindical, Marilete Soares e Silene Spinosa, do Procurador Dayan Cavalcante e do presidente da Comissão de reformulação do Plano de Carreiras e remuneração, Joaquim Antônio.

Pautado no início pelo signo das melhores intenções possíveis e pela coerência no âmbito dos debates, a partir do instante em que foi dado à platéia presente o direito do uso da palavra, a celeuma acabou tomando de conta dos assuntos essenciais gerando apenas ruídos, más vibrações, além de um clima de incompreensão mútua.

Ao se pronunciar, a sempre educada e elegante secretária Teresa Crespo agradeceu ao presidente da Câmara pela atitude magnânima de convocar todo o sistema da Educação Municipal para discutir de forma ampla a proposta que objetiva adequar o PCCS, ajustar a carga horária e a questão do piso salarial, dentre outros assuntos. Na ocasião, Teresa desejou que destes embates se achassem justas posições de igualdade para todos. De acordo com as palavras da Secretária, para se construir avanços, é preciso mais do que nunca procurar consensos.

Em seguida, o presidente da Câmara fez a leitura dos pontos de discórdias ao Projeto onde se elencam as questões da relotação de funcionários do âmbito setorial, licenças para que empregados da educação exerçam atividades sindicais e participem de congressos e simpósios, jornada de trabalho, horário corrido para casos especiais, planejamento e reforço escolar.

No auge dos debates, um dos participes, ao pedir para utilizar-se dos microfones, atiçou para o fato de que o aumento de apenas 40 Reais no piso salarial era uma vergonha para uma atividade com tal responsabilidade. Alertou a todos os presentes que com este absurdo de aumento, a falta de motivação também aumenta e, por conseqüência, a educação tende a piorar.

Com técnica e habilidade política para discordar sem criar aversões ou reações hostis, o presidente Sérgio Bouez procurou pacificar os ânimos e apagar os focos de incêndio. Explicou a todos que o Projeto de Cargos, Carreiras e Salários da Educação Municipal já se discutiu à exaustão com toda a categoria e classe sindical e que nenhum projeto de interesse do servidor seria aprovado pela Câmara sem uma discussão a priori com os agentes púbicos e atores sociais em reuniões como esta que ocorreu.

Ao terminar, Sérgio Bouez convidou as representações do Sintero, da Elaboração do PCCS, do Conselho Municipal de Educação, da Secretaria de Educação e da Procuradoria Municipal para uma reunião a se realizar às nove horas da manhã da próxima segunda-feira (05), a fim de definir as emendas apostas no Projeto e a tomada de decisões e posições.

Fonte: Assessoria